TJPR decide a respeito da elaboração do cálculo e da retenção de Imposto de Renda sobre pagamento de precatórios

A 5ª Câmara Cível apreciou recurso apresentado pelo município de Maringá contra decisão que dispensou a incidência do IR 
Ter, 30 Jul 2019 06:43:50 -0300

Na última terça-feira (23/7), a 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) julgou um agravo de instrumento a respeito da incidência de Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) quando do pagamento de precatórios. A questão envolvia uma dívida do município de Maringá e a retenção do imposto sobre o crédito principal e sobre os honorários do advogado que atuou no feito. Ao todo, foram retidos R$ 19.277,44 – deste valor, R$ 18.236,24 incidiram sobre o crédito do autor da ação e R$ 1.041,20 sobre os honorários.

A decisão de primeiro grau decidiu que a retenção do IR sobre o crédito do advogado era indevida. No recurso apresentado ao TJPR, o município alegou que a repetição desse entendimento poderia representar a perda de valores significativos de arrecadação. Assim, o ente público pediu que o imposto incidisse sobre os honorários advocatícios e que fossem devolvidos os valores levantados sem a retenção. 

Em votação unânime, os Desembargadores do TJPR decidiram pela necessidade de retenção dos tributos feita pelo próprio Tribunal: “Compete ao Poder Judiciário, quando for hipótese de retenção, realizar os cálculos e proceder com a devida retenção legal incidente sobre os débitos fazendários inscritos para pagamento em precatório, apresentando-se, portanto, inadequada eventual liberação de valores desacompanhadas de tal procedimento”. Pela decisão, afirmou-se que, no caso, o cálculo e a retenção do IR devem ser realizados pelo Poder Judiciário, de acordo com a disposição do art. 369 do Regimento Interno do TJPR, acrescido dos art. 369 do Código de Normas da Corregedoria-Geral da Justiça e do art. 32, inciso IV, da Resolução nº 115 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Assim, como os pagamentos de precatórios são autorizados e realizados pelo Tribunal de Justiça, a 5ª Câmara Cível enfatizou a impossibilidade de retenção tributária pela Fazenda Pública, já que os valores repassados para pagamentos são submetidos à análise do TJPR: “Não se mostra praticável, razoável e condizente a possibilidade de retenção direta na fonte pela Fazenda Pública devedora de maneira antecipada ao próprio repasse, quando os valores, por certo, sequer estarão atualizados, ou, ainda, a possibilidade de retenção após a expedição do competente Alvará, ao passo de tal conduta caminhar em sentido oposto ao interesse público, ante a evidente potencialidade de prejuízos a serem suportados pelo erário”. Além disso, a decisão considerou que o art. 46 da lei 8.541/92 se aplica às relações jurídicas entre privados, afastando-o das hipóteses de pagamentos de precatórios.

O acórdão ressaltou a diferença entre débitos decorrentes das relações entre particulares e naquelas com a Administração Pública. “Diferentemente dos débitos judiciais voltados à relação exclusivamente privada, quando a satisfação do crédito se dará de maneira imediata e direta entre os litigantes, na relação pública, aos créditos inscritos em precatório, os valores devidos para pagamento do crédito serão repassados ao Tribunal de Justiça, qualquer que seja o regime de liquidação de débitos”.

Sobre a solicitação de devolução dos valores levantados sem a retenção, a decisão determinou que esse pedido deverá ser feito em forma de ação de repetição de indébito/restituição de imposto, caso a parte beneficiária não realize o ajuste de contas diretamente nos autos originários.

Nº do processo: 0013570-71.2019.8.16.0000


Conheça os dispositivos legais que embasaram a decisão proferida pela 5ª Câmara Cível

Regimento Interno do TJPR
Art. 369. Feito o depósito requisitado, será este transferido para conta de poupança judicial, ocasião em que o Presidente do Tribunal determinará o repasse da respectiva verba ao Juízo da execução, que calculará as contribuições previdenciárias e o imposto de renda retido na fonte, efetuará os respectivos recolhimentos e o pagamento do saldo ao credor.

Código de Normas da Corregedoria-Geral da Justiça
Art. 369. Quando o pagamento ao credor tiver que ser feito diretamente pelo Juízo de origem, a Central de Precatórios colocará o montante, por meio de depósito bancário, à disposição do Juízo.

Resolução 115 do CNJ
Art. 32. Efetivado o pagamento de precatório, com observância das hipóteses, prazos e obrigações previstos na legislação aplicável, o Tribunal de Justiça local providenciará, diretamente ou mediante repasse da verba aos Tribunais Regionais Federais e do Trabalho, quando for o caso:
IV – retenção do imposto de renda devido na fonte pelos credores, e seu respectivo recolhimento.

Lei 8.541/1992 
Art. 46. O imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos pagos em cumprimento de decisão judicial será retido na fonte pela pessoa física ou jurídica obrigada ao pagamento, no momento em que, por qualquer forma, o rendimento se torne disponível para o beneficiário.

Fonte: TJPR

Deixar uma Resposta

Você precisa estar logado para postar um comentário.